(11) 4438-8922

A venda de livros, jornais, revistas e papelaria subiu na passagem de maio para junho deste ano. O comércio varejista destes itens atingiu 69,1%. No entanto, o setor fechou o primeiro semestre deste ano no vermelho, atingindo -28,7% quando comparado com o mesmo período de 2019. No acumulado do ano, caiu 39,5%.

Os dados foram divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) na semana passada.

No geral, o comércio varejista brasileiro teve alta de 8% no mês de junho. Livros, jornais, revistas e papelaria integra sete das oito atividades analisadas pela pesquisa do IBGE que registraram aumento das vendas na passagem de maio-junho.

Entre as justificativas para os resultados positivos é o menor impacto das medidas de isolamento social para enfrentamento da pandemia do novo coronavírus (COVID-19).

Para saber mais, clique aqui.

Fonte: PublishNews.

A quarta edição do Congresso Internacional de Tecnologia Gráfica tem novidades. Este ano, por conta da pandemia do novo coronavírus (COVID-19), os organizadores do evento decidiram alterar e ampliar as datas de realização do evento e transmiti-lo online.

Desta forma, o Congresso, que aconteceria presencialmente no dia 20 de agosto, será nos dias 24, 25 e 26 de novembro de 2020. O tema deste ano, “Tecnologia e Inovação para Sustentabilidade - a comunicação gráfica rumo aos novos desafios”, abordará as transformações tecnológicas e comportamentais do setor.

O Congresso Internacional de Tecnologia Gráfica é realizado pela ABTG (Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica) e APS Eventos Corporativos. Relembre a cobertura feita pelo Portal SINGRAFS aqui.

Com informações da Assessoria de Imprensa.

O governador de São Paulo, João Doria, informou na última quarta-feira (12) que testou positivo para o novo coronavírus (COVID-19). Em vídeo, Doria diz que o seu caso é “absolutamente assintomático” e que seguirá protocolos e orientações do infectologista David Uip, integrante do Comitê de Saúde do Estado de São Paulo, como isolamento social. 

 

O anúncio foi feito no dia em que o Estado atingiu 655.181 casos confirmados da enfermidade e totalizou 25.869 óbitos. O índice de mortalidade do vírus é maior entre homens (14.920) e em pessoas com 60 anos ou mais (75,3%), de acordo com o Governo paulista.

QUARENTENA PRORROGADA PELA DÉCIMA VEZ

A quarentena no Estado de São Paulo foi, mais uma vez, prorrogada. O período, que iria até 10 de agosto (última segunda-feira), agora foi ampliado até 23 do mês.

Esta é a décima atualização feita pelo Governo para tentar conter a pandemia do novo coronavírus (COVID-19) e, ao mesmo tempo, ampliar a reabertura gradual da economia, conforme as diretrizes do Plano São Paulo.

A cidade de Santa Mercedes, localizada na região de Presidente Prudente, não tem casos confirmados do novo coronavírus (COVID-19). Desta forma, segue sendo o único município, entre os 645 do Estado de São Paulo, a não ter a doença até o momento.

Saiba mais – Coronavírus: COVID-19 está presente em todos os 645 municípios de SP

A informação foi corrigida na terça-feira (11) pela Secretaria Estadual de Saúde, após a divulgação de que todas as cidades paulistas teriam apresentado, pelo menos, um caso de coronavírus.

O paciente que aparecia como morador de Santa Mercedes e que testou positivo para a doença não reside mais no município, e, sim, em Prudente. A troca de endereço foi confirmada posteriormente, durante checagem de dados.

Fonte: SPTV2/Rede Globo.

A ABTG (Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica) oferecerá, entre os dias 25 a 27 de agosto, o curso online “Programa de Alta Performance em Vendas na Era do Home Office”. 

Ministrada pelo professor Marcos Biaggio, o objetivo das seis horas de aulas é o de proporcionar novas maneiras de administrar vendas e auxiliar no desenvolvimento de novas habilidades para se fazer negócios no setor gráfico.

A grade curricular inclui os seguintes tópicos:

  • Ajudando o cliente a entender sua necessidade;
  • Conhecer seu produto sempre;
  • Preço competitivo;
  • Honestidade e a relação de confiança com o cliente;
  • O momento requer flexibilidade;
  • Seja resiliente e aposte nos clientes já existentes.

Desde o dia 24 de junho, o participante dos cursos da ABTG escolhe o valor a ser pago. No caso deste, os valores variam de R$ 15 a R$ 50.

SERVIÇO

Curso ABTG: Programa de Alta Performance em Vendas na Era do Home Office
Datas e Horários: 25, 26 e 27 de agosto de 2020, das 16h às 18h
Transmissão: Videoconferência via Zoom (link será enviado após confirmação da inscrição)
Inscrições: abtg.org.br/cursos-on-line/ 
Informações: (11) 2797-6700

Na última segunda-feira (10), Ribeirão Corrente registrou o seu primeiro caso confirmado do novo coronavírus (COVID-19). Ela era a única entre os 645 municípios paulistas que estava livre da doença até o início desta semana.

Com a confirmação do alastramento do vírus por todo o Estado de São Paulo, chega-se aos 628.415 paulistas contaminados por COVID-19 e 25.151 óbitos provocados pela enfermidade, cuja letalidade é de 4% - maior que a do Brasil (3,3%) e a do mundo (3,7%). Os dados são da Fundação SEADE.  

O Governo do Estado de São Paulo anunciou, na segunda-feira (10), nova linha de crédito do Banco do Povo direcionada à MEIs (Microempreendedores Individuais). Serão liberados mais de R$ 70 milhões em microcrédito, durante o período de pandemia do novo coronavírus (COVID-19).

Até o momento, foram disponibilizados R$ 720 milhões de oferta de crédito. As novas linhas atenderão, também, empreendedores informais e produtores rurais, com ou sem CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica).

As opções de crédito variam de R$ 5 mil a até R$ 8,1 mil – esta última específica para MEIs e produtores rurais com CNPJ. A taxa de juros varia de 0,35% a 1% ao mês, dependendo da linha de financiamento.

No caso do empréstimo oferecido aos Microempreendedores Individuais, a taxa de juros varia de 0,35% a 0,70% mensais; prazo de pagamento de até 24 meses para capital de giro, com carência de até 60 dias; para investimento fixo, o prazo de quitação é de até 36 meses, com até 90 dias de carência.

Para mais informações, acesse o site do Banco do Povo.

O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) medido em julho foi de 0,36%, aumento de 0,10% em relação a junho. No acumulado do ano, o valor é de 0,46%; e no acumulado dos últimos 12 meses, 2,31%. As porcentagens foram divulgadas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) na última sexta-feira (7).

O aumento da taxa foi impulsionado pelos preços da gasolina e da energia elétrica. No Estado de São Paulo, houve aumento da alíquota de PIS/Cofins, o que também impulsionou a alta do IPCA mês passado.

A entidade também divulgou a variação do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) de julho, que atingiu 0,44%. Em junho, foi de 0,30%; no acumulado de 2020, o valor chegou a 0,80%; nos últimos 12 meses, a taxa acumulada ficou em 2,69%.

As porcentagens de IPCA e INPC do mês passado são as maiores já registradas desde 2016 pelo IBGE. Naquele ano, as variações foram de 0,52% e 0,64%, respectivamente.

Para mais informações, clique aqui.

Cerca de 12,8 milhões de brasileiros estavam desempregados nos meses de abril, maio e junho deste ano. O número representa 13,3% da taxa de desocupação, alta de 1,1% em relação aos meses de janeiro, fevereiro e março (12,2%) e de 1,3% na comparação com o mesmo trimestre de 2019 (12%).

A taxa de subutilização da força de trabalho brasileira chegou a 29,1% no trimestre encerrado em junho deste ano. De 2012 para cá, é o maior índice registrado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística): o menor foi o do mesmo período de 2014 (14,8%); o de abril-junho do ano passado chegou a 24,8%.

De acordo com o IBGE, a taxa de subutilização abrange os desocupados, pessoas que estão fora do mercado de trabalho, mas à procura por reposicionamento; as que fazem parte da força de trabalho potencial e os subocupados por insuficiência de horas (menos de 40 horas por semana).

O levantamento também indicou queda no número de brasileiros trabalhando com carteira assinada no setor privado no trimestre abril-junho. Foram contabilizados 30,2 milhões no período, o menor já registrado pela série histórica.

Já a quantidade de pessoas trabalhando na informalidade chegou a 30,8 milhões, ou 36,9% da população ocupada – também o menor número apontado pela série iniciada em 2016, mas superior aos celetistas do setor privado.

Os dados fazem parte da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, divulgada nesta quinta-feira (6). Eles podem ser acessados aqui.

Foi sancionada nesta quinta-feira (6) a Lei Complementar nº 174, que trata de empreendimentos adeptos ao Simples Nacional. De acordo com o portal Senado Notícias, ela permite que MPEs (Micro e Pequenas Empresas) renegociem débitos fiscais com a União que estejam em fase de cobrança administrativa e prorroga o prazo de enquadramento ao Simples Nacional.

Desta forma, as Microempresas e EPPs (Empresas de Pequeno Porte) que iniciaram atividades neste ano terão 180 dias, contados a partir da data de abertura constante no CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica), para adesão ao Simples Nacional.

Sobre o parcelamento de dívidas com o Governo Federal, elas deverão estar inscritas na dívida ativa e em cobrança judicial.

Segundo informou o Senado Notícias, a nova Lei Complementar tem origem no PLP (Projeto de Lei Complementar) 9/2020, criada para ajudar pequenos empreendimentos a enfrentar os efeitos econômicos da pandemia do novo coronavírus (COVID-19).

O PLP é de autoria do deputado Marco Bertaiolli (PSD/SP) e sofreu alterações, como a inserção da ementa para autorizar a “celebração de transação resolutiva de litígio para os créditos da Fazenda Pública apurados na forma do Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional)”.