(11) 4438-8922

O uso do celular em ambiente de trabalho é precedido de Norma/Regulamento Interno, que rege as condições de sua utilização durante o expediente.

Referido documento deverá ser de conhecimento geral e assinado pelos empregados para fins de publicidade, e terá que constar qual o momento em que o celular poderá ser utilizado dentro da empresa.

Se o uso ficar restrito somente aos intervalos de direito do empregado, a empregadora precisa disponibilizar um sistema de recados para casos de urgência. 

Na Norma/Regulamento Interno também poderá constar informações sobre o uso do Whatsapp, sendo vedado para transmissões de informações da empresa para terceiros sem a devida autorização expressa da empregadora.

No mesmo instrumento, deverá constar a informação que a não observância da Norma/Regulamento Interno acarretará a aplicação de sanção administrativa devida e cabível ao caso concreto, podendo-se iniciar por uma advertência até a possibilidade de demissão por justa causa.

Jurídico ASSINGRAFS-SINGRAFS

Nesta terça-feira (15), celebra-se o Dia Mundial do Consumidor – momento propício para as empresas reverem e aprimorarem seu relacionamento com os clientes.

A data foi instituída internacionalmente pela Assembleia Geral das Nações Unidas na década de 1980. Porém, em 1962, nos Estados Unidos, o então presidente John F. Kennedy criou o Dia Mundial dos Direitos do Consumidor como forma de proteger direitos e interesses de quem detinha o poder de compra, e garantir que tivessem acesso à informação e escolha.

No Brasil, o Código de Defesa do Consumidor foi criado em 1990 (Lei nº 8.078). E mesmo com o apoio da lei, ainda há situações em que o consumidor se sente lesado pelas empresas e não sabe como proceder para reverter o jogo.

Por isso, entidades como Procon, Ministério Público, PROTESTE, entre outras, trabalham para que quem compra tenha seus direitos protegidos e validados.

COLOCANDO A BOCA NO TROMBONE

O site Reclame Aqui ficou conhecido por registrar reclamações sobre produtos e serviços de empresas de diversos segmentos, pequenas ou grandes – do pet shop de bairro à multinacional. O objetivo é fazer com que o cliente seja ouvido/ lido e tenha seu caso solucionado da melhor forma possível.

Os campeões de comentários negativos são os serviços de telefonia fixa e móvel, sites de comércio eletrônico e operadoras de TV por assinatura.

E por lá também há reclamações feitas a gráficas – em sua maioria, de serviços online. Os motivos variam entre demora no atendimento, erros no pedido, baixa qualidade do produto e prazos de entrega não respeitados.  

De acordo com o Procon-SP, os fornecedores ainda não conseguem lidar de maneira satisfatória com seus clientes, principalmente no pós-venda. Para a entidade, “independente do setor, a empresa deve começar por reconhecer que, em uma relação de consumo, tem que haver harmonia e equilíbrio, que existe uma lei que determina quais são os direitos e deveres dos parceiros nesta relação e que ela deve ser cumprida.”

E de que forma os empresários e empresárias do nosso setor podem evitar estes tipos de problemas – tão frequentes e, algumas vezes, tão mal resolvidos? Para o Procon-SP, “um sistema de pós-venda eficiente que atenda os consumidores na exata medida de suas necessidades” seria uma das soluções.

Por isso, empresário e empresária gráfica, aproveite esta terça para refletir com seus colaboradores de que maneira podem estreitar relações com seu público-alvo, respeitando seus direitos, conquistas e fazendo com que voltem sempre.

O Índice de Atividade econômica do Banco Central (IBC-Br), divulgado nesta segunda-feira (14), revelou queda de 0,61% em janeiro comparado a dezembro do ano passado. O IBC-Br é tido como um sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB).

Em dezembro de 2015, o índice dessazonalizado – ou seja, que exclui variáveis ao longo do período - foi de 136,69. Já em janeiro deste ano, o valor foi de 135,85. No item “Observado” do mesmo relatório, a discrepância foi ainda maior. Em dezembro, registrou-se 133,32; e em janeiro, 127,92, queda de -4,05%.

Segundo a Reuters, a expectativa dos analistas era de registro de alta de 0,1% na comparação mensal. 

No dia 04 de abril, a ABTG (Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica) dará uma palestra gratuita sobre “Educação Financeira Pessoal”. Durante aproximadamente duas horas, o docente José Pires falará sobre como as pessoas poderão organizar suas finanças e ter uma vida financeira equilibrada.

O conteúdo versará sobre controle financeiro, reestruturação de dívidas, produtos de financiamentos e de aplicações financeiras.

Mais informações:

Educação Financeira Pessoal
Dia: 04 de abril
Horário: das 19 às 21 horas
Local: Auditório da ABTG – Rua Bresser, 2.315, Mooca, São Paulo
Inscrições: Clique aqui

A Heidelberg incluiu em seu rol de produtos equipamentos com a tecnologia Drystar LED UV. Dessa forma, o consumidor poderá optar entre LED UV, LE UV e/ou UV convencional. De acordo com a empresa, o sistema de secagem, novidade no Brasil, já é consolidado na Europa e no Japão.

Segundo a Revista Graphprint, a Heidelberg informa que o Drystar LED UV é voltado para impressão em baixas tiragens e trabalhos diferenciados em máquina; aplicações especiais com substratos mais sensíveis ao calor, ou películas muito finas. No Japão, por exemplo, a implantação de equipamentos com o sistema auxiliou na redução do consumo de energia das gráficas do país.

A fabricante alemã, porém, não recomenda o uso do LED UV em impressão de altas tiragens de um mesmo trabalho, pois o custo das tintas neste sistema ainda é elevado. 

A presidente Dilma Rousseff sancionou na última terça-feira (08) o Projeto de Lei nº 6.998/2013, que cria a Política Nacional Integrada para a Primeira Infância e amplia a licença-paternidade de cinco para 20 dias.

O texto já havia sido aprovado em fevereiro pelo Senado Federal. Ontem foi sancionado sem vetos pela Presidência e já entrou em vigor.

De acordo com a Agência Brasil, a ampliação da licença-paternidade é obrigatória apenas para as empresas que aderirem ao Programa Empresa Cidadã, que também possibilita a extensão da licença-maternidade de quatro para seis meses – antes, apenas funcionárias públicas tinham esse benefício.

A licença de 20 dias para os pais também é válida para adoção.

O dia 08 de março é considerado internacionalmente o Dia da Mulher. Data, esta, para não só salientarmos a importância que elas têm em nossas vidas, mas, sobretudo, refletirmos sobre seu papel na sociedade e lembrar a luta de muitas outras por respeito e igualdade.

HISTÓRICO

No final do século 19, com a presença maciça de indústrias pelos países em desenvolvimento, em especial Inglaterra, França e Alemanha, movimentos operários começaram a questionar as condições de trabalho, precárias e exploratórias.  

A medida que a industrialização avançava pelo mundo, essas organizações se difundiram e se consolidaram. Mas não só os homens clamavam por melhorias. As mulheres começaram a ter participação ativa nas manifestações.

Há quem diga que o mês de março foi escolhido para celebrar o Dia da Mulher em memória a 130 operárias que morreram carbonizadas em um incêndio ocorrido numa fábrica têxtil em 1911, nos Estados Unidos.

Porém, em 1908, também nos EUA, o primeiro Dia Nacional da Mulher foi comemorado em maio. Aproximadamente 130 mulheres realizaram uma manifestação por igualdade econômica e política. Em 1909, o Partido Socialista norte-americano oficializou a data em 28 de fevereiro, também com novo protesto que reuniu mais de três mil pessoas em Nova York.

Em 1917, a Rússia também foi palco de uma manifestação feita por cerca de 90 mil operárias em um 08 de março, que ficou conhecida como “Pão e Paz”. As trabalhadoras exigiam do Czar Nicolau II melhores condições de trabalho, combate efetivo à fome que afligia os mais pobres e fim da participação do país na I Guerra Mundial.

Após a II Guerra Mundial (1939-1945), a recém-criada Organização das Nações Unidas (ONU) assinou um acordo internacional que afirmava os princípios de igualdade entre homens e mulheres. Mas apenas em 1977 o Dia Internacional foi adotado pela entidade como forma de lembrar as conquistas sociais, econômicas e políticas femininas.

BRASIL

Os movimentos pelos direitos da mulher surgiram no País no início do século 20, com os grupos anarquistas. A partir das décadas de 1920 e 1930, o movimento sufragista lutava pelo direito da mulher ao voto, conquistado em 1932 durante o governo de Getúlio Vargas.

Na década de 1970, a luta incluía, além de melhores condições de trabalho, a igualdade de gênero, saúde e sexualidade, reflexo dos movimentos feministas que se consolidaram no exterior nos anos 1960.

A década de 1980 foi período importante para a mulher brasileira. Em São Paulo, foi criado o Conselho Estadual da Condição Feminina. A primeira Delegacia da Mulher surgiu em 1985. Na televisão, um programa inteiramente produzido para elas, o TV Mulher. Apresentado por Marília Gabriela e Ney Gonçalves Dias, falava com as donas de casa sobre assuntos que, até então, eram considerados tabus. Era nele que Marta Suplicy tinha um quadro sobre comportamento sexual, algo inédito.

Já nos anos 2000, o País mostrou ser pioneiro em legislações que defendem a mulher de comportamentos abusivos e violentos. A criação das leis Maria da Penha (nº 11.340, de 7 de agosto de 2006), contra a violência em âmbito doméstico, e do Feminicídio (nº 13.104, de 9 de março de 2015), que engloba os assassinatos cometidos pelo fato de a vítima ser mulher, considerados como crimes hediondos e inafiançáveis, são grandes avanços.  Necessários, infelizmente, pelo ainda elevado índice de violência contra a mulher.

De acordo com a Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR), o Brasil registrou, somente nos primeiros dez meses do ano passado, mais de 63 mil denúncias de violência contra a mulher, feitas pelo Ligue 180 - um relato a cada sete minutos. Desses dados, 49,82% foram ligações relatando violência física, e 58,55% violência contra mulheres negras. Leia mais aqui.

MULHER NO MERCADO DE TRABALHO

 A participação da mulher no mercado de trabalho brasileiro ainda é menor que a do homem, porém está aumentando. É o que informou em 2015 a Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República durante o II Seminário de Oficiais e Peritos em Assuntos Populacionais do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

De acordo com a pasta, é predominante a mão de obra feminina nos serviços domésticos, costura industrial e serviços pessoais e de beleza. Já no setor de construção e manutenção de veículos, elas não chegam a 1% de participação.

Entre 2010 e 2011, o aumento da participação das mulheres no mercado de trabalho foi de 4,5%, explicado pela crescente formalização dos empregos e rendimento. O desafio, ainda, é oferecer a elas garantias sociais para que possam conciliar trabalho e família. 

HOMENAGEM DO GOOGLE

Quem acessar o site de pesquisas, verá que o Google prestou uma bonita homenagem à efeméride. O Doodle, nome das artes comemorativas publicadas na página principal, traz um vídeo com dezenas de mulheres ao redor do mundo, e de diferentes idades, contando quais são seus sonhos. Entre elas, está Malala Yousafzai, ativista paquistanesa e a mais jovem ganhadora do Nobel da Paz, conhecida por seu trabalho para garantir que toda menina esteja matriculada em uma escola. 

Com informações de: Memória Globo, Mundo Educação, O Estado de S. Paulo, Revista Escola, Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República.

Inscrições abertas para os cursos técnicos gratuitos em Pré-Impressão Gráfica, Impressão Offset e Impressão Rotográfica e Flexográfica na Escola SENAI Theobaldo De Nigris.

O interessado poderá optar em estudar pela manhã ou à noite. A duração do curso é de dois anos.

O pré-requisito para aqueles que optarem em estudar pela manhã é estar cursando o 2º ou 3º ano do Ensino Médio. Já para quem preferir a turma do noturno, precisa ter o Ensino Médio completo.

As inscrições para o processo seletivo vão até o dia 16 deste mês. A prova será realizada no dia 10 de abril. A taxa de inscrição para a turma da manhã é grátis; para o noturno, o valor é R$ 46.

Mais informações: http://www.sp.senai.br/Senaisp/institucional/176/0/tecnicos

A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) restringirá a venda de convênios coletivos empresariais. O objetivo é combater a “falsa coletivização” dos planos de saúde.

De acordo com o Valor econômico, empresas que tenham sido criadas há menos de 12 meses estarão proibidas de adquirir os planos de saúde coletivos. A regra é direcionada a convênios com até 30 vidas, onde os beneficiários tenham algum tipo e vínculo familiar.

A produção industrial brasileira cresceu 0,4% em janeiro deste ano em relação a dezembro de 2015, na série livre de influências sazonais, interrompendo sete meses de quedas consecutivas. A porcentagem está presente na Pesquisa Industrial Mensal Produção Física - Brasil (PIM-PF), elaborada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e divulgada nesta sexta-feira (04).

Segundo informou a Agência Brasil, a pesquisa ainda revela que, mesmo com o dado positivo do começo deste ano, comparado a janeiro de 2015, a indústria registrou queda de 13,8%. A taxa é a vigésima terceira negativa consecutiva e a mais intensa desde abril de 2009 (-14,1%).

Os setores que mais contribuíram para o avanço da produção nacional foram os de produtos derivados do petróleo e biocombustíveis e coque (2,8%); atividades de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (6,1%); setor de bebidas (3,8%); produtos de fumo (24,5%); entre outros.

Os bens de consumo duráveis tiveram o único resultado negativo em janeiro deste ano, após, segundo o IBGE, ter tido alta de 8% em dezembro do ano passado. O segmento registrou perda acumulada de 18%.

Mais informações sobre a pesquisa podem ser vistas aqui.